NABARRATV
Bem vindo
Login / Registrar

Temporada de Câmara | Dia da Música Colonial Brasileira - José Maurício Nunes Garcia

Desculpe-nos mas, este vídeo está disponível apenas para usuários registrados.

Por favor, efetue login abaixo ou REGISTRE-SE para assistir este vídeo.

Obrigado! Mostre para seus amigos!

URL

Você detestou este video. Obrigado pela sua opinião!

Sorry, only registred users can create playlists.
URL


Adicionado em by Admin in Barra da Tijuca Arte e Cultura
44,048 Visualizado

Descrição

O mês de setembro é da música colonial brasileira e a Associação de Canto Coral, na sua obrigação perante a memória musical brasileira, reverencia o principal compositor do período: José Maurício Nunes Garcia.

Para os concertos do mês separamos músicas de diversas fases do padre mestre:

As Vésperas de Nossa Senhora de 1797 revelam uma faceta importante do padre: obra da primeira fase do compositor, mostra o gosto do padre pela sonoridade homofônica coral, realçando a mistura das vozes, pelos contrastes de dinâmica, e pelas intervenções de solistas.

O Te Deum de 1809 é da segunda fase do compositor. Como mestre da Capela Real, este foi um momento áureo para o padre e o período em que compôs mais obras. Composto para as matinas de São Pedro, é a obra da fase de maior sucesso. Com um amplo solo de tenor que perdura durante a obra inteira, a música é feita em torno da voz solista. São perceptíveis as diferenças harmônicas em relação às Vésperas de Nossa Senhora, bem como o uso dos uníssonos, tão presente na obra do compositor a partir da segunda fase.

O Laudate Pueri de 1821 é obra da fase mais madura do compositor. Escrito nove anos antes de sua morte, mostra o gosto do padre pelas modulações inesperadas; o movimento central põe em evidência a voz solista e finaliza com a mesma música do primeiro movimento, porém com outro texto, mostrando a preocupação com a reexposição dos elementos composicionais, dando sentido narrativo da obra.

O concerto também é composto por In convertendo dominus. Obra sem data definida, traz a beleza de seu conhecimento harmônico de José Maurício. Na música, é possível observar os contrastes de mistura e dinâmica vocal e as intervenções solistas próprias do compositor.

José Maurício Nunes Garcia é figura ímpar para o brasileiro. Ele representa uma parcela importante da sociedade de sua época e sua maneira de fazer música. Precisa ser reverenciado sempre.

 

 

História da Associação de Canto Coral

 

A Associação de Canto Coral (ACC) foi criada em dezembro de 1941, tendo como patrono musical o compositor Heitor Villa-Lobos e, como diretora artística, a maestrina Cleofe Person de Mattos. A ACC tem o objetivo de divulgar o patrimônio musical brasileiro, sobretudo por meio de concertos no Brasil e no exterior, e gravações das principais obras corais-sinfônicas do período colonial. Até a presente data, a Associação de Canto Coral já realizou mais de 750 concertos.

Preocupada com a formação de público, com a preparação de novas gerações de cantores e com a reciclagem de profissionais atuantes no meio musical, a ACC promove palestras, ciclos de leituras de obras corais, vídeos comentados, musicalização infantil, cursos para professores, estudantes de música e comunidade coral, entre outras atividades que venham melhorar a formação da comunidade e estimular o interesse pela música de concerto. 

A diretora artística Cleofe Person de Mattos dedicou-se à pesquisa de obras de compositores de nosso passado musical, especialmente as obras do Padre José Maurício Nunes Garcia. Tornou-se papel da instituição a difusão do resultado dessas pesquisas que apresentou em concertos, inclusive em primeiras audições contemporâneas. De 1995 a 2012, a instituição teve como diretor artístico o Maestro Carlos Alberto Figueiredo e a Maestrina Valéria Matos, que continuaram a orientá-la com os mesmos ideais artísticos. E em 2013, a direção musical é assumida pelo Maestro Jésus Figueiredo. 

A Associação já atuou com grandes orquestras, sob a regência de maestros internacionais como: Igor Strawinsky, Karl Richter, Victor Tevah, sir Colin Daves, Helmuth Rilling, Jacques Pernoo; e maestros brasileiros como Villa-Lobos, Camargo Guarnieri, Francisco Mignone, Isaac Karabtchevsky, Alceo Bocchino, Benito Juarez e Henrique Morelenbaum. Sua numerosa discografia inclui autores nacionais como José Maurício Nunes Garcia e os setecentistas mineiros; os nacionalistas Villa Lobos, Francisco Mignone, Brasílio Itiberê e Camargo Guarnieri; e os contemporâneos Almeida Prado e Marlos Nobre.

A Associação de Canto Coral é reconhecida como órgão de Utilidade Pública Federal, sem fins lucrativos e não conta com nenhuma subvenção pública, por essa razão se mantém pela contribuição de sócios e pelo eventual apoio de empresas privadas.

Envie um Comentário

Efetue Login ou REGISTRE-SE para Postar Comentários.

Comentários

Seja o primeiro a comentar
RSS